Seguidores

quarta-feira, 30 de maio de 2012

CAPÍTULO DEZESSEIS

O Amor por um Fio
 
         Pedro e Gabi estavam na loja se preparando para fechar, enquanto Pedro fechava as janelas, Gabi contava para ele as últimas aventuras de Xis. Os dois estavam dando risada, quando Ziza entrou rápido na loja e disparou:

- A TV está desligada? - Perguntou olhando para o aparelho de tv.
- Que houve Ziza? - Perguntou Pedro, percebendo que ela estava nervosa.

Ela olhou pra Gabi seriamente e falou:

- O Banco que trabalha sua amiga foi assaltado agora à tarde.

         Gabi levou um susto e os dois caminharam em direção a Ziza.

- O que aconteceu Ziza, fala.
- Calma Gabi, deixa ela contar.
- Eu não sei bem ao certo, mas parece que teve tiro e... e...
- Pelo amor de Deus Ziza !!!!!!!!
- ... e disseram que morreu gente, não falaram quem, mas foi algum gerente do banco.

         Gabi não esperou ela terminar e saiu correndo em direção ao telefone. Pedro foi atrás. Ela ligou desesperadamente para o celular de Isadora. Desligado. Começou a chorar e Pedro pediu para que ela ter calma.

- Tenho que ir lá... Agora.
- Onde? Você não sabe onde ela está. Gabi, calma, vamos ligar a TV.

         E percebeu que Ziza já estava fazendo isso.

- Vou até a casa dela Pedro, não posso ficar esperando, vou lá agora - disse em desespero e pegou a chave do carro.
- Vou com você...

         Pedro tentou acalmar Gabi, mas também estava nervoso.

         Estavam se dirigindo para a porta, quando ouviram na TV a chamada do plantão de notícias. Voltaram para ver.

         “O assalto ocorrido hoje a tarde na agência bancária movimentou o centro da capital. Diversas viaturas da policia encontram-se no local. Depois de meia hora de cerco, a polícia conseguiu invadir a agência e render três dos quatro assaltantes. Um deles morreu atingido pelo disparo do segurança do banco. Testemunhas informaram que, de dentro do Banco, ouviram-se diversos disparos, o que teria causado pânico na população. Algumas pessoas que estavam dentro do banco foram atingidas e foram encaminhadas para o hospital. Não há ainda o nome das vítimas, mas sabe-se que uma pessoa morreu a caminho do hospital e que outras se encontram em estado grave. Mais informações a qualquer momento.”

         Gabi não esperou as últimas palavras e saiu, em disparada, em direção ao hospital que havia sido informado.

- Eu dirijo - falou Pedro.  

         No caminho para o hospital, Pedro tentou acalmar Gabi e a si mesmo.

- Calma, você não sabe o que houve, calma.
- Pedro se acontecer algo a ela eu morro.

         O celular de Gabi tocou, ela atendeu rapidamente.

- Oi.
- Gabi, sou eu, Marina. Vi a TV agora e...
- Já sei Marina. Não sabemos de nada ainda. Estou indo para o hospital.
- Liga pra mim, quando tiver noticias. - E desligou.

         A entrada do hospital estava lotada de pessoas querendo notícias. Pedro e Gabi não conseguiram muitas informações. Ninguém sabia de nada. As pessoas estavam impacientes por informações e começava um certo tumulto na recepção.

         O celular de Gabi tocou novamente e ela teve que se afastar para atender. Pedro a acompanhou.

- Gabriela, é Clarice.
- Onde está Isa? Como ela está? O que acon...
- Gabriela escuta, ouve, eu sabia que você iria ficar preocupada. Estou no hospital e bem... - Clarice tentava conter o choro.
- Estou aqui Clarice, não consigo entrar. Onde está Isa? - Estava desesperada.
- Vou até a recepção buscar você, ok?
- Certo... rápido. - Estava chorando.

         Clarice apareceu por uma porta lateral e os chamou. Disse algo para a pessoa que estava controlando a entrada. Os dois entraram e se dirigiram a uma sala com outras pessoas, a maioria funcionários do Banco.
         A blusa de Clarice estava com alguns respingos de sangue e os olhos inchados de chorar.

         Gabi segurou Clarice pelos braços e disse baixinho, em desespero:

- Por favor, me diz.
- Eu não sei como ela está. Ela foi trazida na ambulância e ... E... Está na sala de cirurgia. Eu ainda não sei de nada, não sei como aconteceu.

         Nesse momento explodiu em prantos.

- Eles estavam lá cheios de sangue por todo lado e Gustavo em cima dela. Tinha muito sangue, não me deixaram chegar perto. A polícia entrou e...

         Pedro tentou acalmar as duas.

- Calma, por favor. Você, como está? Esse sangue.
- Não é meu, não sei de quem é... - em prantos.

         Gabi sentou num dos sofás, colocou as duas mãos no rosto. “Não, isso não aconteceu.”

         Outros funcionários do Banco estavam por ali, conversando baixinho. Um deles trouxe água para Gabi, enquanto Pedro fazia Clarice sentar ao lado de dela.

- Os médicos já vieram aqui? O que aconteceu? - Perguntou Pedro a outro funcionário que estava por ali.

         Ele falou a Pedro que foram muitos tiros. Alguns conseguiram se esconder atrás das mesas, mas que Isadora, Gustavo, Marco Aurélio e a caixa Karen estavam no meio da agência quando houve o tiroteio. Todos foram atingidos e não sabiam o grau dos ferimentos. Ainda... estavam todos sendo operados. Sabia apenas que Gustavo não havia resistido aos ferimentos e morrido antes de chegar ao hospital. Falou isso com as lágrimas caindo. Pedro se dirigiu a Clarice.

- Clarice, olha pra mim. Alguém falou com os pais de Isa? - Perguntou Pedro preocupado.
- Não sei... não sei - Clarice não conseguia conter o pranto.

         Gabi estava de pé, olhando pela janela. Não enxergava nada, apenas a imagem de Isa, na sua mente.

“Por favor, não me deixe, não me deixe, eu te amo. Se conseguir ver você de novo, será a primeira coisa que vou te dizer, que te amo. Não vou perder você.”

7 comentários:

  1. Maravilhoso, a riqueza desse cap nos faz vizualizar tudo q aconteceu.

    Paravbéns...

    ResponderExcluir
  2. mais q eu fiquei com o coração na mão quando li q ela estava no meio e foi acertada...pena q o Gustavo não resistiu, agora só me resta torcer pra que a Isa resista.
    esperar para o proximo cap vai acaba comigo...a ansiedade me consome...vou perder as unhas isso sim.
    nossa sem palavras pra descrever esse cap...esta simplesmente maravilhoso o conto...*-*
    beijinhos ^^

    ResponderExcluir
  3. Que ansiedade que me trás essa história, da vontade de não parar de ler, eu tenho que pegar a história terminadas ficarei em cólicas até o próximo capitulo, Maravilhoso as vezes só através de fatalidades conseguimos admitir nossos sentimentos. Parabéns! Amando a narrativa.

    ResponderExcluir
  4. Nossa! Quanta tensão!
    Consegui me ver dentro da cena toda.
    Parabéns!!

    ResponderExcluir
  5. Wind...q capítulo, muito bom.
    Fiquei com o coração apertado.
    Q dózinha da Gabi......
    Please, Isa precisa ouvir q ela a ama.
    Parabéns!!!!!!
    Bjos.
    Rejane

    ResponderExcluir
  6. Nuss. emocionante..
    A isa nao pode morrer viu.

    ResponderExcluir
  7. Pelos Deuses q aflição.Capitulo muito curto.A ansiedade vai me comer viva!!!Quinta feira chega logo.

    ResponderExcluir